Juiz nega pedido de Maluf sobre manifestação do IML quanto à prisão domiciliar

2 Min. de Leitura
FR12 SÃO PAULO - SP - 222/12/2017 - NACIONAL - MALUF - O deputado Paulo Maluf deixa a sede da Policia Federal na Lapa, zona oeste de São Paulo, com destino a Brasília. O deputado federal, Paulo Maluf (PP-SP) se entregou à Policia Federal, em São Paulo, na manhã desta quarta-feira, 20. O parlamentar chegou com uma mala de roupa. Ex-prefeito de São Paulo (1993-1996), Maluf foi condenado pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal a uma pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias pelo crime de lavagem de dinheiro. A condenação foi imposta ao ex-prefeito no dia 23 de maio, mas ainda estava sob pendência de embargos infringentes na ação penal 863.. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O juiz de direito substituto do Distrito Federal Vinicius Santos Silva negou nesta quinta-feira (4) um pedido apresentado pela defesa do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) que queria acelerar a análise do seu pedido de prisão domiciliar.

Ao reiterar o pedido de prisão domiciliar, a defesa de Maluf pediu que o Instituto Médico Legal (IML) e o Centro de Detenção Provisória da Papuda (CDP), em Brasília apresentem a sua manifestação sobre o tema “em tempo hábil e suficiente”, sob a alegação de que os problemas de saúde do parlamentar são “graves”, sob pena de implicar “sofrimento desumano, desnecessário e desproporcional”.

Em uma decisão, o juiz destacou que o prazo de resposta do IML e do CDP, “apesar de estar na iminência de se encerrar, ainda não se esgotou, de sorte que não há, até o momento, qualquer injustificável demora por parte dos órgãos oficiados e, portanto, não há qualquer motivo a justificar a intervenção, nesse tocante, por parte deste juízo”.

Maluf, de 86 anos, está preso desde o último dia 20 no Complexo Penitenciário da Papuda. A defesa do deputado destacou em sua manifestação que “em um espaço curtíssimo de tempo”, dois detentos morreram dentro do sistema em virtude de ataque do coração./Estadão

Compartilhar Notícia