Aluna é estuprada em aula de campo do curso de Agronomia da Ufal

3 Min. de Leitura

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) publicou nota em que lamenta a violência contra oito estudantes de Agronomia que foram vítimas de criminosos, no sábado (25), durante uma aula de campo, em Messias (AL). Uma aluna chegou a ser estuprada durante o assalto e a Ufal publicou nota em que repudia o ato e se compromete em apurar os fatos administrativamente e contribuir com as investigações policiais.

Na nota, a reitora Maria Valéria Costa Correia considerou o momento como de profundo choque, ao dar ênfase ao repúdio contra o ato de violência sexual e prestar solidariedade aos estudantes assaltados.

Valéria Correia informou ainda que providências foram tomadas de imediato por técnicos do Centro de Ciências Agrárias (Ceca) e da Gerência de Transportes da Sinfra, inclusive com a comunicação do fato às autoridades policiais e o encaminhamento da estudante para o atendimento médico de urgência.

“A estudante terá o acompanhamento da Pró-reitoria Estudantil para os cuidados médicos e psicológicos necessários. Todos os encaminhamentos para a apuração administrativa dos fatos serão tomados de imediato pela Universidade e todas as informações serão prestadas para a investigação policial”, informa a nota.

página oficial do Ceca no Facebook cobrou das autoridades competentes uma resposta imediata “com o máximo de rigor que a lei permite”.

O gabinete reitoral da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) vem por meio desta nota manifestar a profunda consternação com a lamentável violência sofrida por oito estudantes do Centro de Ciências Agrárias da Ufal, neste sábado (25), em aula de campo no município de Messias (AL).

Em nome de toda a comunidade universitária, a Reitoria da Universidade presta toda a solidariedade aos estudantes que foram assaltados e principalmente à estudante que foi vítima de violência sexual.

Neste momento de profundo choque com tamanha violência, a reitora Valéria Correia e toda a comunidade universitária reiteram o total repúdio ao ataque sofrido pela estudante por ser mulher, numa cultura misógina.

A reitoria esclarece ainda que, tão logo foram informados da grave ocorrência, técnicos do Ceca e a Gerência de Transportes da Sinfra tomaram as providências cabíveis, com a comunicação do fato às autoridades policiais e encaminhamento da estudante para o atendimento médico de urgência.

A estudante terá o acompanhamento da Pró-reitoria Estudantil para os cuidados médicos e psicológicos necessários. Todos os encaminhamentos para a apuração administrativa dos fatos serão tomados de imediato pela Universidade e todas as informações serão prestadas para a investigação policial./ DP

Compartilhar Notícia