Qual a origem de Corpus Christi e por que sempre cai na quinta-feira

6 Min. de Leitura

O Corpus Christi é uma festa que celebra, segundo a tradição católica, a presença real de Cristo na Eucaristia, que é o ato do recebimento da hóstia consagrada, o símbolo do corpo de Cristo.

Desde a sua instituição, foi determinado que a comemoração ocorreria sempre em uma quinta-feira 60 dias depois do domingo de Páscoa.

CORPUS CHRISTI

Também conhecido como o Santíssimo Sacramento, no dia de Corpus Christi, bispos de várias dioceses vão em procissão até a catedral, levando a hóstia consagrada, símbolo do corpo de Cristo.

A festa foi instituída pelo papa Urbano 4º, em 1264, e ficou determinado que o dia de Corpus Christi seria celebrado após a festa da Santíssima Trindade, que acontece em um domingo, depois de Pentecostes. Pentecostes comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo, sua mãe Maria e outros seguidores. A data é comemorada 50 dias depois do domingo de Páscoa.

Segundo a igreja, Juliana de Cornillon, nascida em 1191 na Bélgica, teve uma visão na qual Jesus pediu que fosse introduzida no calendário litúrgico a Festa de Corpus Domini.

Ela teria guardado a revelação em segredo por 20 anos e, depois, compartilhou com outras duas adoradoras da Eucaristia. Após ganhar outros ouvidos, a solenidade de Corpus Christi foi instituída na paróquia de Sainte Martin. Depois, outros bispos o imitaram, estabelecendo a mesma festa nos territórios confiados aos seus cuidados pastorais.

A festa foi crescendo até tornar-se uma celebração mundial, sendo estabelecida oficialmente em 1264, seis anos após a morte de Santa Juliana, canonizada em 1599.

PÁSCOA NÃO TEM DATA FIXA

O dia de Corpus Christi sempre cai em uma quinta-feira porque é comemorado 60 dias após o domingo de Páscoa. E como o domingo de Páscoa não possui um dia fixo, como o Natal (25 de dezembro), Corpus Christi também segue o mesmo padrão.

Essas datas não são fixas porque seguem a páscoa judaica, que, por sua vez, segue o calendário lunissolar, baseado nos movimentos do Sol e da Lua, que possui meses e anos com duração variável.

Segundo o judaísmo, os hebreus celebram a festa da páscoa durante uma semana inteira, entre os dias 14 e 21 do mês de nissan, o primeiro mês do calendário hebraico bíblico, que marca a libertação do povo hebraico da escravidão no Egito, atravessando o Mar Vermelho rumo à Terra Prometida. E esse período se inicia com a primeira lua cheia da primavera no hemisfério Norte e do outono, no Sul. De acordo com o judaismo, Moisés liderou o povo hebreu justamente nesta primeira lua cheia, chamada de equinócio de primavera (ou outono por aqui).

A relação com a Páscoa do catolicismo é que na Última Ceia, realizada na Quinta-Feira Santa, os apóstolos celebraram com Jesus a páscoa judaica, comemorando o êxodo do povo de Israel. Assim, a primeira Quinta-Feira Santa da história ocorreu numa noite de lua cheia.

Antigamente, a Páscoa era celebrada no mesmo dia da páscoa judaica, na quinta-feira. No entanto, no ano de 325, o Concílio de Niceia determinou que a Páscoa cristã fosse celebrada no domingo posterior, ou seja, no dia da ressurreição de Jesus. Como a Última Ceia foi na quinta-feira, Cristo foi crucificado na sexta-feira e ressuscitou no domingo.

MILAGRE DE BOLSENA

Um sacerdote chamado Pedro de Praga vivia angustiado com dúvidas sobre a presença real de Cristo no pão consagrado. Por isso, segundo a fé católica, saiu em peregrinação ao túmulo dos apóstolos Pedro e Paulo em Roma.

Ao cruzar Bolsena, na Itália, foi tomado pela dúvida novamente enquanto celebrava a Santa Missa. Porém, no momento da consagração, um milagre teria sido enviado, de acordo com a Igreja Católica, como uma resposta às suas dúvidas.

A hóstia sagrada teria se transformado em carne viva, ainda segundo a fé católica, pingando sangue, manchando o pano branco onde elas são colocadas, o pano de limpar o cálice e a toalha do altar.

Esses objetos, a pedido do papa Urbano 4º, foram para Orviedo em procissão. Esta foi a primeira procissão do corporal Eucarístico. Em 11 de Agosto de 1264, o papa lançou de Orviedo a nova festa.

COMEMORAÇÃO

No estado de São Paulo, diversas cidades comemoram a data. As ruas, por onde passam as procissões, são enfeitadas com tapetes feitos de diversos materiais, como serragem, areia colorida, borra de café, flores, entre outros.

Esses tapetes, geralmente, formam imagens sagradas. A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, peregrino em busca da Terra Prometida.

FERIADO

O dia de Corpus Christi não é feriado nacional. Em diversas partes do Brasil, assim como o Carnaval, a data é considerada ponto facultativo.

Segundo a Lei nº 9.093, de 12 de setembro de 1995, são considerados feriados religiosos os dias de guarda, em que os cristãos precisam participar do culto a Deus, declarados em lei municipal. Ou seja, a data só é feriado se os municípios assim declararem em lei.

Em São Paulo, Curitiba, Salvador, entre outras capitais, a data é oficialmente feriado./Folha SP

(Foto reprodução)

    Compartilhar Notícia