Parte das metralhadoras furtadas do Exército em São Paulo foram recuperadas na Gardenia Azul-RJ

2 Min. de Leitura

Oito metralhadoras furtadas do Arsenal de Guerra do Exército, em Barueri, na Grande São Paulo, foram recuperadas nesta quinta-feira (19/10), na entrada da Gardênia Azul, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro, pela Polícia Civil do Estado. São quatro metralhadoras .50 e quatro calibre 7,62 mm. Outras 13 armas ainda estão desaparecidas.

Segundo o secretário estadual de Polícia Civil do Rio, delegado Marcus Amim, essas oito metralhadoras foram transportadas de São Paulo para o Rio para serem negociadas com o Comando Vermelho, maior facção criminosa do estado. Ao chegar ao Rio, as armas foram levadas para o complexo da Penha, na zona norte, depois foram transferidas para a Rocinha, na zona sul, e finalmente transportadas para a Gardênia Azul, onde acabaram localizadas e apreendidas pela polícia dentro de um carro estacionado na entrada do bairro. Ninguém foi preso.

A Polícia Civil afirma ter identificado os traficantes que compraram as armas, a mando do Comando Vermelho, que enfrenta uma disputa com milicianos na zona oeste do Rio. Mas eles não foram localizados nem presos. “Já havia notícia, pela inteligência do Exército, de que parte (das armas) tinha vindo para a guerra da zona oeste entre tráfico e milícia. Intensificamos as investigações e conseguimos dados de inteligência e localizar as armas”, contou o secretário Amim.

A Polícia Civil sabia do paradeiro das armas desde que elas estavam na Rocinha, mas preferiu seguir monitorando para apreendê-las em outro local. “A gente ponderou entrar na Rocinha, realizar uma operação lá, mas conseguimos dados de que elas seriam transportadas e preferimos pegar essas armas ao final do transporte e não no meio, porque isso poderia gerar um confronto (da polícia com os criminosos)”, afirmou o secretário de Polícia Civil do Rio./AE

Compartilhar Notícia