/Número de consultas psiquiátricas pelos planos de saúde sobe 20% em dois anos

Número de consultas psiquiátricas pelos planos de saúde sobe 20% em dois anos

O estresse e a ansiedade já faziam parte do dia a dia da comissária de bordo Carla (nome fictício), de 38 anos, há anos. Sempre ocupada, ela nunca deu grande importância para o problema. Quando o filho nasceu, em 2018, os sintomas, até então leves, se agravaram, levando Carla, em junho, a uma crise nervosa  que a fez jogar o bebê-conforto com o filho no chão.

“Ele já tinha nove meses e praticamente não dormia. Eu estava sozinha, sem ninguém para me ajudar a cuidar dele, sem dormir há dias, já tinha procurado vários profissionais e nenhum soube como me ajudar. Então eu tive essa crise”, conta.

Por sorte, o bebê não teve nenhum ferimento e a crise aconteceu dentro de uma clínica médica do plano de saúde de Carla. No local, ela foi imediatamente atendida por uma equipe de saúde mental estabelecida no espaço há alguns meses justamente com o objetivo de dar um atendimento mais especializado para pacientes com transtornos mentais, demanda crescente entre as operadoras de saúde brasileiras.

Dados da Agência Nacional de saúde Suplementar (ANS)  mostram que o número de procedimentos registrados pelos convênios médicos voltados à saúde mental têm crescido em ritmo muito superior à média dos demais tratamentos.

Segundo o rol de procedimentos de cobertura mínima da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), os  planos de saúde  são obrigados a cobrir atendimentos de saúde mental de acordo com as regras a seguir:

A saúde mental é um tema que precisa ser melhor tratado, inclusive no setor de saúde suplementar. Temos ouvido muitos relatos de algumas iniciativas que já começaram a ser feitas e, quando a gente olha os números, houve aumento na utilização de determinados serviços e procedimentos que refletem uma demanda maior na parte de saúde mental. A gente vive uma situação de crise econômica no País, ainda em processo de recuperação, muitas pessoas sem emprego, burnout (esgotamento profissional) nas empresas. Esse é um espectro de saúde populacional que precisa ser melhor acompanhado pelas operadoras e pelos empregadores e contratantes de planos./AE

 

Comente com Facebook