Maceió: saiba por que colapso do solo é um dos poucos no mundo

7 Min. de Leitura

A iminência do colapso de uma mina subterrânea chamou a atenção para o bairro de Mutange, em Maceió (AL), nesta semana. A Defesa Civil do município alerta para a possibilidade de formação de um sinkhole, um tipo de cratera decorrente do afundamento da superfície. O caso da capital alagoana, por se relacionar à mineração em área urbana, é considerado raro.

O alerta máximo é para a mina 18, na região do antigo campo do Centro Sportivo Alagoano (CSA). Tendo em vista o significativo deslocamento do solo, o órgão não descarta a formação de uma cratera no local.

Cláudio Amaral, professor de geologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), explica que, com o esvaziamento da camada inferior, iniciada na década 1970, há uma redistribuição natural do material em direção a esse buraco.

“Você tirou material lá de baixo, tirou a sustentação, o que está em cima começa a recalcar, ou seja, afundar”, descreve. “Se o material retirado estivesse lá embaixo, não aconteceria isso”, explicou o especialista.

Embora raro, o Brasil tem casos semelhantes, também causados pela intervenção humana relacionada à exploração de recursos naturais.

Em Vazante (MG), há registros de diversos afundamentos pela cidade decorrentes da mineração de zinco. Outra situação aconteceu em Cajamar (SP), em 1986. Na ocasião, devido à retirada excessiva de água em uma caverna subterrânea, houve um desabamento no centro da cidade.

O professor contextualiza que, no Brasil, há uma relação complicada entre mineração e urbanização, marcada por conflitos e desastres ambientais. “Você tem um conhecimento científico que aponta que o surgimento das cidades não deve se dar de maneira aleatória”, comenta. “Não há mais como a sociedade brasileira aceitar esse tipo de desastre”.

Mas o problema não é exclusivo do Brasil. Na Índia, por exemplo, há casos de crateras relacionadas à exploração de carvão mineral. Em agosto de 2022, uma mina desativada na cidade de Chandrapur desabou, formando uma cratera de 21 metros de profundidade em meio a diversas casas. A informação foi publicada pelo portal Times of India.

Duas alternativas

A Braskem, em nota, informou que o monitoramento demonstra que a acomodação do solo segue concentrada na área da mina 18, e que essa acomodação poderá se desenvolver de duas maneiras: um cenário é o de acomodação gradual até a estabilização, e o outro, de uma possível acomodação abrupta.

“A área de serviço da Braskem nas proximidades da mina 18 está isolada desde a tarde de terça-feira. Ademais, a região onde está localizada a referida mina (área de resguardo) já está totalmente desocupada desde 2020”, ressalta a nota.

Exploração de recursos

No caso de Maceió, a exploração mineral desenfreada no solo tem sido apontada como a principal causa do fenômeno. A Salgema Indústrias Químicas S/A, que viria a se tornar a Braskem, ganhou autorização para explorar o sal-gema no local na década de 1970, durante a ditadura militar.

O problema em torno do afundamento na região onde ficam 35 minas de sal-gema da Braskem só veio à tona em março de 2018, quando um forte tremor atingiu a área.

O risco de formação de crateras levou à saída emergencial de cerca de 55 mil pessoas da área. O problema, constatado por órgãos das esferas municipal, estadual e federal, se relaciona às minas de sal-gema da petroquímica Braskem exploradas no subsolo da área urbana da capital do estado.

O sal-gema é retirado de rochas a cerca de 1 mil metros da superfície. Ele pode ser utilizado normalmente na cozinha, mas o uso é importante em diversos processos industriais, como, por exemplo, na produção de PVC e soda cáustica.

Atividades paralisadas

A mineração na região só foi paralisada em março de 2019, após ter sido confirmada a relação com o afundamento.

A Braskem ressaltou, em nota, que vem adotando medidas para o fechamento definitivo dos poços de sal, conforme planejamento apresentado às autoridades e aprovado pela Agência Nacional de Mineração (ANM). “Esse plano registra 70% de avanço nas ações, e a conclusão dos trabalhos está prevista para meados de 2025”, detalha.

“Das 35 cavidades, nove receberam a recomendação de preenchimento com areia. Destas, cinco tiveram o preenchimento concluído. Em outras três, os trabalhos estão em andamento, e uma já está pressurizada, indicando não ser mais necessário o preenchimento com areia. Além dessas, em outras cinco cavidades, foi confirmado o status de autopreenchimento”, ressalta.

Segundo a empresa, as demais 21 cavidades estão sendo tamponadas e/ou monitoradas, e em sete delas o trabalho foi concluído. “As atividades para preenchimento da cavidade 18 estavam em andamento e foram suspensas preventivamente devido à movimentação atípica no solo”, completa.

Aumento da área de risco

Na quinta-feira (30/11), a Defesa Civil retirou mais moradores de regiões de risco, após a zona de alerta ser aumentada. A Justiça Federal, com base em relatórios técnicos, determinou a inclusão de novas áreas na zona de risco para colapso em minas da Braskem e autorizou o uso da força para remover os moradores da região afetada.

A medida atende pedido do Ministério Público Federal, da Defensoria Pública da União e do Ministério Público do Estado de Alagoas pela inclusão de mais áreas no programa de realocação da Braskem. A Justiça estabeleceu que o monitoramento também fosse intensificado.

O aumento da zona desocupada se dá no momento em que há um alerta de colapso iminente de uma mina da petroquímica Braskem na região do antigo campo do CSA, na Lagoa Mundaú, no bairro de Mutange./ Metrópoles

Compartilhar Notícia