Lula no JN: Lava Jato, Polarização, Orçamento Secreto e relação com Geraldo Alckmin

7 Min. de Leitura

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou da sabatina do Jornal Nacional na noite desta quinta-feira (25/8), Lula criticou a operação Lava Jato, dizendo que ela ultrapassou o limite da investigação e entrou no limite da política, jogou indiretas às ações do governo Bolsonaro, criticou o Orçamento Secreto e defendeu a polarização sem estímulo ao ódio. 

O ex-presidente Lula disse que: “o importante é não confundir polarização com estímulo ao ódio”. Ao defender a democracia e as instituições, Lula lembrou uma frase de Paulo Freire: “de vez em quando, precisamos estar junto dos divergentes para vencer os antagônicos”.

Lula ainda defendeu ações de combate à corrupção realizadas durante os governos do PT.  “A corrupção só aparece quando você permite que ela seja investigada”, afirmou. Lula aproveitou ainda para mandar indiretas ao presidente Jair Bolsonaro (PL), o petista mencionou o fato de o chefe do Executivo não obedecer a indicação da lista tríplice para o cargo de procurador-geral da República, os sigilos de 100 anos em documentos impostos pela Presidência, e, segundo ele, impedido que a Polícia Federal investigue seus filhos.

Como defesa sobre os casos de corrupção, Lula destacou os órgãos de transparência criados durante a gestão. “Foi no meu governo que a gente criou o Portal da Transparência, CGU, Lei de Acesso à Informação, AGU, Coaf, Cade”, disse o ex-presidente.

A jornalista Renata Vasconcellos insistiu no tema e questionou se Lula não teme que, ao não expor se vai cumprir a lista tríplice para a escolha do PGR, crie suspeição sobre o trabalho do MPF. “Não quero um procurador leal a mim. O procurador tem que ser leal ao povo brasileiro, à instituição”, afirmou Lula, que disse ainda que “não quer amigos, quer pessoas sérias que falem em nome da instituição”.

Sobre interferências na Polícia Federal a jornalista questionou como Lula pretende impedir essa ingerências. “O Bolsonaro troca qualquer diretor a hora que ele quer. Basta que ele não goste. Eu nunca fiz isso e não vou fazer”, disse ele.

William Bonner questionou como Lula pretende fazer com o equilíbrio das contas públicas. O ex-presidente citou dados sobre a condução na economia durante os seus dois governos e afirmou que é necessário previsibilidade, credibilidade e estabilidade.

Bonner retomou o tema e questionou Lula sobre a recessão e a “explosão” da inflação nos governos Dilma Rousseff e perguntou se ele pretende implantar a política econômica dos dois primeiros mandatos ou de sua sucessora. O ex-presidente reconheceu que Dilma cometeu erros na condução da economia, mas defendeu a sua sucessora.

“Dilma cometeu equívocos na questão da gasolina, ao fazer R$ 540 bilhões de desonerações em isenção fiscal. Quando ela tentou mudar, ela tinha uma dupla dinâmica contra ela. O Eduardo (Cunha), presidente da Câmara, e o Aécio no Senado, que trabalharam o tempo inteiro para que ela não fizesse mudanças”, enfatizou o candidato petista.

Lula foi duro com as palavras ao falar do orçamento secreto. Ele chamou o mecanismo de “excrescência” e de um “escárnio”. “(O orçamento secreto) não é moeda de troca, isso é usurpação de poder. Acabou o presidencialismo. Bolsonaro é refém do Congresso, ele sequer cuida do orçamento. Isso nunca aconteceu desde a proclamação da República”, asseverou Lula.

O petista ainda usou o orçamento secreto para minimizar o escândalo do mensalão. “Você acha que o mensalão que tanto se falou foi mais grave que o orçamento secreto?”, questionou.

Lula também reforçou as críticas ao novo Auxílio Emergencial. “Ele acabou de aumentar o Auxílio Emergencial. Até quando? Até o dia 31 de dezembro, porque na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) não tem continuidade. Ele agora manda a LDO (ao Congresso) e mente dizendo que vai continuar”, afirmou.

Questionado sobre a recepção da base petista em relação à formação de campanha com 10 partidos, o ex-presidente defendeu a união com seu vice, Geraldo Alckmin (PSB), seu rival nas eleições presidenciais de 2006. “Alckmin já foi aceito pelo PT de corpo e alma. Alckmin é uma pessoa que vai me ajudar, tenho confiança que a experiência como governador de São Paulo vai me ajudar a consertar esse País”, defendeu Lula.

Lula também defendeu a polarização como instrumento saudável e não como incentivo ao ódio. “Feliz era o Brasil e a democracia brasileira quando a polarização deste país era entre PT e PSDB. A gente era adversário política, trocava farpas… Quando a gente se encontrava em um restaurante, eu não tinha problema em tomar uma cerveja com o Fernando Henrique Cardoso, com o José Serra ou com o Alckmin. A gente não se tratava como inimigo. A militância é como torcida organizada. Política é assim. Você tem divergência, você briga, mas você não é inimigo”, afirmou.

Questionado sobre o fato de defender governos ditatoriais em países vizinhos, ele se defendeu dizendo que defende a soberania dos povos, mas vai trazer de volta muita gente de países do mundo inteiro que se afastaram do Brasil a partir da instalação deste governo.

Lula foi o terceiro entrevistado da série de sabatinas do Jornal Nacional, que recebe os principais presidenciáveis ao longo da semana. O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi o primeiro a ser ouvido, na segunda-feira, seguido por Ciro Gomes (PDT) na terça-feira. A senadora Simone Tebet (MDB) será a última a participar, na sexta-feira.

(Com informações do Estadão)

(Foto: reprodução TV Globo)

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar Notícia