Jogo do aviãozinho: quem são influenciadores citados em matéria do Fantástico e o que eles disseram

3 Min. de Leitura

Neste domingo, (17/12), o ‘Fantástico’, da TV Globo, exibiu uma reportagem sobre o ‘jogo do aviãozinho’, um game divulgado por influenciadores em redes sociais que é alvo de uma investigação em São Paulo.

No jogo da empresa Blaze, o usuário ganha dinheiro enquanto um “avião” vai subindo na tela, e tem que decidir parar antes que a palavra “crash” apareça na tela.

Este é um tipo de jogo de azar ilegal no Brasil, aponta a polícia (leia mais aqui). Além disso, há denúncias de que, mesmo quando ganham algum dinheiro, usuários não recebem o valor total, o que seria crime de estelionato.

Os advogados da Blaze disseram ao ‘Fantástico’ que a empresa tem sede em Curaçao, no Caribe, e que, portanto, não estaria sujeito à legislação brasileira, mesmo que suas atividades impactem pessoas do País.

Segundo a reportagem, todos os sete influenciadores citados também estão sendo investigados por terem divulgado o jogo ilegal. A Globo apontou a participação até de Mel Maia, atriz de produções da emissora.

Veja o que cada um disse no fim da reportagem. Duas delas disseram que não divulgam mais o jogo do aviãozinho:

  • Viih Tube disse que, ao tomar conhecimento das denúncias contra a Blaze, pediu o encerramento do contrato com a empresa.
  • Juju Ferrari disse que não divulga mais a Blaze, e que sua relação era só de publicidade.

Outro influenciador afirmou que continua divulgando o jogo, mas negou rumores de que seria sócio da Blaze:

  • Jon Vlogs disse que é contratado para divulgação da Blaze desde 2021, mas que não tem participação acionária.

Por fim, outros quatro influenciadores que apareceram na reportagem não quiseram falar com o ‘Fantástico’:

  • Rico Melquiades, MC Kauan, Mel Maia e Juju Salimeni não retornaram o contato da reportagem.

Após a veiculação da reportagem, Juju Salimeni alfinetou a Globo nas redes sociais e questionou o fato de a emissora divulgar outros sites de apostas. Na reportagem, o ‘Fantástico’ diferencia casas de apostas esportivas, que estão sendo regulamentadas no Brasil, de outras do tipo ‘casino’, de jogos de azar, que são ilegais /AE

(Foto reprodução)

Compartilhar Notícia