Governador do Ceará cobra agilidade de Lula e diz que Ciro Gomes ajuda a direita

11 Min. de Leitura
GOVERNADOR ELMANO DE FREITAS ASSINA UNIVERSALIZACAO DO SANEAMENTO EM CERIMONIA NO PALACIO DA ABOLICAO FOTOS: HELENE SANTOS/ GOV. DO CEARA TAGS: CAGECE, UNIVERSALIZACAO DO SANEAMENTO, ASSINATURA, GOVERNADOR, ELMANO DE FREITAS

O governador do Ceará, Elmano de Freitas (PT), afirmou em entrevista à Folha que o governo Lula (PT) precisa ter mais rapidez nas políticas públicas que impactam a população. O chefe do Executivo cearense disse que o presidente está no caminho correto, mas que o “povo tem pressa”.

Elmano também defendeu maior integração na política nacional de segurança pública e disse que um nome nordestino para a presidência do PT poderia oxigenar o partido. A atual presidente da legenda, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), deixa a função em 2025.

Elmano rebateu críticas do ex-ministro e Ciro Gomes (PDT), governador do Ceará de 1991 a 1994, à sua gestão e ao ministro da Educação de Lula, Camilo Santana (PT).

“A melhor resposta não é o que eu penso do que ele fala, é o que o povo cearense pensa do que ele fala”, diz o governador, ao citar a derrota de Ciro nas eleições de 2022, quando disputou a Presidência.

Como o senhor vê os problemas de governabilidade do presidente Lula e as derrotas sofridas no Congresso?
As derrotas que o governo possa ter no Congresso fazem parte do processo democrático. A força política a que o presidente Lula pertence não tem maioria no Congresso, o que implica uma busca de diálogo e negociação permanente. Em boa parte delas, o governo conseguiu construir entendimento e consenso, e outras [vezes] não conseguiu, [algumas vezes] venceu, e [em] outras não conseguiu, perdeu. O que é importante é que, quando o Congresso não aprovou, ou quando aprovou, isso não gerou crise entre os Poderes.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), chegou a defender recentemente mudanças no governo. O senhor também defende, por exemplo, uma reforma ministerial?
[Sobre] montagem de equipe do presidente da República fala o presidente da República. Na relação com o Congresso, muitas vezes, certamente, a posição do presidente Lula, que ele gostaria de apresentar ao Congresso, era outra, mas ele tem que apresentar aquela porque é a que é possível, a que é viável na negociação. Foi assim na reforma tributária.

O caminho para o governo é focar mais nas pautas econômicas do que nas pautas mais ideológicas?
Eu não tenho nenhuma dúvida de que todo governo é avaliado pelo cidadão com a resposta a uma pergunta: a minha vida melhorou com esse governo ou não? E eu tenho uma opinião de que o presidente Lula caminha de maneira correta. Agora, efetivamente, precisa ter mais celeridade nas políticas públicas, porque o povo tem pressa.

Tem uma corrente do PT que defende um nome nordestino para comandar o partido, inclusive Guimarães. O senhor corrobora essa tese?
Acho que o companheiro Guimarães tem todas as condições de colocar o nome dele à disposição pelo grau de dedicação. Mas eu não estou muito envolvido no processo de decisão do partido. Acho que ainda é cedo, porque isso vai ser ano que vem. Mais importante do que o nome, temos que debater quais são as novas bandeiras que o PT tem que defender para o futuro.

Eu acho que seria muito bom. Na história do PT, nós só temos um companheiro que foi presidente do PT sendo [originário politicamente] do Nordeste. Não acho que é um critério fundamental, mas acho que é bom para o partido, oxigena.

O ex-ministro Ciro Gomes tem feito duras críticas ao senhor e ao ministro da Educação, Camilo Santana. Ele disse recentemente que o senhor não tem a experiência necessária para governar o Ceará e acusou o seu governo de corrupção no ano passado. Diante isso, é inviável uma aliança com Ciro, como foi no passado?
Na última eleição, Ciro teve 6% no Ceará, ficou em terceiro no estado e na sua cidade, Sobral.
A melhor resposta não é o que eu penso do que ele fala, é o que o povo cearense pensa do que ele fala. Em 2022, ganhamos a eleição no primeiro turno daqueles que achavam que eram donos do estado do Ceará.

As críticas que o Ciro Gomes fez são absolutamente mentirosas e irresponsáveis. Ele até hoje se esconde da interpelação judicial que fizemos. O oficial de Justiça não consegue encontrá-lo [para apresentar provas do que diz]. Tenho a impressão de que ele terá nas eleições municipais uma resposta ainda mais contundente nas urnas para as eleições de prefeitos e prefeitas.

Ciro cumpre esse papel, na verdade, de buscar ajudar a direita a deslegitimar o governo do presidente Lula e o nosso no Ceará.

O PT trouxe Evandro Leitão para o partido ele era do PDT para ser candidato a prefeito de Fortaleza. Ele venceu as prévias do partido. Que garantias o partido tem de que ele irá defender profundamente as ideias do PT se eleito?
Ele tem uma história na política cearense, no campo progressista, próximo do PT. Fui deputado estadual junto com o deputado Evandro Leitão, então líder do governo do Camilo. Ele defendeu todas as políticas públicas do governador do PT. Depois foi presidente da Assembleia, ajudando o nosso projeto a avançar. Então, apoiar Evandro é algo natural.

Como está a sua relação com a ex-prefeita Luizianne Lins? O senhor chegou a conversar com ela recentemente, depois dessa derrota dela nas prévias do partido?
Não, nós não conversamos ainda, nós temos uma convivência militante de mais de 30 anos. Estamos deixando a poeira baixar um pouco. Tenho por ela muito respeito, carinho e admiração.

O senhor acredita que o apoio do governo federal na área da segurança pública está atendendo aos anseios dos governos estaduais?
O governo tomou uma medida muito importante, que foi destravar o recurso do Fundo Nacional de Segurança Pública e do Fundo Penitenciário. Mas nós carecemos de uma maior integração. Penso que precisamos aperfeiçoar o sistema unificado de segurança pública, mas integrar muito, aumentar o investimento de segurança pública no país.

O investimento, o orçamento da Polícia Federal é aquém do que ela precisa para poder integrar com as nossas forças. Também, precisamos de mais [atuação] das Forças Armadas a respeito das nossas fronteiras para diminuir a entrada de drogas, controle de tráfico de armas. Acho a política pública mais desafiadora atualmente, a de segurança.

O senhor fez uma troca no comando da Secretaria de Segurança, que tem um novo titular a partir desta semana. Que erros levaram o senhor a essa troca?
Devemos fazer o processo para definição de uma nova inteligência para o estado. Mas o mais importante é que nós precisávamos garantir mais presença de polícia na rua para a população ter um sentimento de segurança. Aqui, em 2023, até setembro, outubro, os índices de homicídio, furto e roubo caíram. Mas a sensação de segurança ou de insegurança aumentou. Então nós vamos alterar essa estratégia para garantir que a ação da polícia seja percebida, e a população se sinta segura. Penso que talvez a principal questão é acelerar a integração com a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, com presença do Estado no território.

Como o Ceará pode, por meio da educação, tentar conter a criminalidade?
A política de escola em tempo integral que estamos construindo vai ajudar a reduzir os riscos de violência. Queremos ao final do nosso governo ter 100% dos jovens do Ceará em escola de tempo integral. Todos os estados do país têm uma meta de chegar em 80% das crianças alfabetizadas no segundo ano em 2030. O Ceará já alcançou, em 2023, 85%. Das 100 melhores escolas de ensino médio, 23 são do Ceará. Do ensino fundamental, das 100 melhores do Brasil, de escola pública, 87 são do Ceará.

O Ceará tem esses melhores índices [na educação] do governador Cid [que governou o Ceará de 2007 a 2015] para o governador Camilo [2015-2022], a governadora Izolda [2022-2023] e Elmano. Antes, não. Tem gente que fala muito da educação do Ceará e, quando governou o Ceará, os índices não eram esses.

O senhor está falando de quem?
De quem governou antes.

Qual marca o senhor quer imprimir para as pessoas associarem no futuro ao seu governo?
Abrir o caminho do estado do Ceará, do projeto de energia renovável de hidrogênio verde, que pode mudar historicamente a economia do Ceará. Com o hidrogênio verde, podemos atrair uma nova indústria que pode se instalar no estado, com base em energia limpa.

Elmano de Freitas da Costa, 54

Governador do Ceará, é formado em direito pela UFC (Universidade Federal do Ceará). Foi secretário de Educação de Fortaleza entre 2011 e 2012 na gestão da então prefeita Luizianne Lins (PT). Em 2012, perdeu a disputa para prefeito de Fortaleza. Exerceu mandatos de deputado estadual entre 2015 e 2022, quando foi lançado candidato a governador, elegendo-se no primeiro turno com 53,69% dos votos válidos. Antes, foi derrotado na disputa para vice-prefeito de Fortaleza, em 2016, e para prefeito de Caucaia (CE), em 2020. É filiado ao PT desde 1989./Folha SP

(Foto reprodução)

Compartilhar Notícia