Elmano diz que “mágoa” no coração de Ciro o impede de colaborar

2 Min. de Leitura

Neste domingo (9/6), o governador do Ceará Elmano de Freitas (PT)) falou ao jornal O Globo e falou sobre a situação da Segurança Pública. O chefe do Executivo estadual avalia que a esquerda não pode mais achar que a injustiça social é o único motivo da violência urbana. É preciso, diz, que as organizações criminosas sejam tratadas como “inimigas do povo brasileiro”.

Na entrevista, Elmano também foi questionado sobre o rompimento entre PT e PDT no estado e sobre a relação como o ex-ministro Ciro Gomes. O governador ressaltou que não pode sentar a mesa com quem acusa seu governo de corrupção de forma genérica.

“Não posso sentar à mesa com alguém que faz uma acusação genérica de que meu governo tem corrupção e, quando peço judicialmente para apresentar um fato, a pessoa se esconde. Apenas porque quer fazer denúncia barata, como também já fez em relação ao presidente Lula. Um requisito básico é ter respeito. Infelizmente, a mágoa de ter sido derrotado da forma que foi na eleição de 2022, inclusive na sua cidade, em Sobral, gerou no coração do Ciro uma situação em que não consegue colaborar com nada. O povo já deu a resposta nas urnas a uma linha política absolutamente atabalhoada, descabida e marcada por muito ódio”, asseverou Elmano de Freitas.

Compartilhar Notícia