/‘Desde quando cobrar é ir contra país?’, diz Marquezine após crítica a Bolsonaro

‘Desde quando cobrar é ir contra país?’, diz Marquezine após crítica a Bolsonaro

Bruna Marquezine foi alvo de haters na web depois que fez postagens com posicionamento crítico ao governo Bolsonaro em seu perfil no Instagram Stories. “Presidente Bolsonaro: explique ao mundo as finanças da família”, dizia a imagem publicada na rede social depois que uma reportagem revelou suposto escândalo de um dos filhos, Flávio, do atual presidente, Jair Bolsonaro, e outra que indicava erros do governante em relação a dados do meio ambiente. Nesta quinta-feira (24), a política voltou a ser comentada pela jovem. “Uma pergunta que não quer calar….até quando lutará contra nosso país, Bruna Marquezine?”, perguntou uma internauta diante da manchete “Após falas de Bolsonaro e Guedes, Bolsa renova máxima histórica”. Horas depois, ela argumentou: “Desde quando cobrar e questionar o atual governo é ir contra o país?”.

Bruna concorda com conselho de fã: ‘Abstrai dessa galera’

A artista – que ganhou torcida da web por uma amizade com Khloé Kardashian depois de a americana interagir com ela – ainda retuitou o conselho de uma internauta a ela. “Abstrai dessa galera que acha que questionar é ir contra algo. As pessoas não estão acostumadas com pessoas que sabem impor seu papel social e cobrar por um estado melhor”, dizia a usuária da rede social.

‘Me tornei feminista e me torno cada vez mais’, afirma atriz

Ativa em campanhas contra o assédio nas redes, ela contou, em entrevista à revista “GQ” que a causa da igualdade de gênero está ainda mais presente em sua vida. “Eu costumo dizer que eu me tornei feminista e que me torno cada vez mais. Porque eu não nasci feminista, não venho de um lar feminista, nem venho de um meio feminista. Mas, há alguns anos, poucos anos, eu venho me conscientizando. E venho vendo o quanto é importante, também por essa pressão dos homens, que eu preciso de me conscientizar”, afirmou Bruna, que destacou a causa dos refugiados ao ser premiada como It Girl.  À publicação, ela ainda dispensou o rótulo de sex Symbol. “Não me sinto obrigada a manter essa imagem de sex symbol, até porque eu não me considero um. Eu acho que toda a mulher tem um lado sensual, e que pode ser explorado de diversas maneiras, e é óbvio que eu exploro o meu quando eu desejo, e gosto de ter esse lado sensual, mas eu não acho que eu seja só isso. Eu sou muito além disso”, afirmou./Purepeople

Comente com Facebook