Ciro Gomes diz que torce por Lula em julgamento, mas não acredita em “teoria da conspiração” no Judiciário

4 Min. de Leitura

Em nota divulgada em sua página no Facebook, o presidenciável Ciro Gomes (PDT), diz que torce para que a justiça seja  feita em relação ao recurso impetrado pelo ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, pela 4ª turma da Justiça Federal. Ciro reconhece que tanto o Judiciário quanto as demais instâncias do país tem suas falhas, mas torce para que o recurso de Lula seja aceito pela Justiça Federal, mas não acredita em Teoria da Conspiração. Ciro também lamenta não ver membros da cúpula do PSDB respondendo por crimes, tanto quanto os demais integrantes de outras siglas partidárias. Ciro Gomes vinha sendo cobrado sobre seu posicionamento  em relação ao julgamento do ex-presidente Lula, mas, ainda não havia se manifestado. Com as declarações de hoje, Ciro reforça sua postura pelo fortalecimento de nomes da esquerda nas eleições deste ano. O presidenciável finaliza sua nota citando a famosa frase do moleiro que acreditava na Justiça como um bem maior, não levando em conta na decisão,  diferenças sociais e de poder. ” ainda há juízes em Berlim”.

CONFIRA NOTA NA ÍNTEGRA

“Dia 24 de janeiro é o dia do julgamento da apelação de Lula contra a sentença que o condenou em primeira instância.

Torço para que seu recurso seja reconhecido pelo tribunal regional, órgão de segunda instância da Justiça Federal, e ele seja declarado inocente.

O Judiciário brasileiro, assim como os outros poderes de nossa frágil República, tem graves defeitos – nunca me abstive de criticá-los – mas imaginá-lo parte orgânica de uma conspiração política ofende a inteligencia média do país e, pior, a consequência inevitável desta constatação teria desdobramentos tão graves que a um democrata e republicano só restaria a insurgência revolucionária. Não creio, definitivamente nisto.

É definitivamente constrangedor e inexplicável que nenhum quadro relevante do PSDB esteja preso apesar de fartas e robustas evidências de seu orgânico e ancestral envolvimento em corrupção. Mas não é irrelevante que estejam presos quadros centrais do PMDB como Eduardo Cunha, Gedel Vieira Lima ou Henrique Alves. E que o próprio presidente Michel Temer tenha sido chamado pela Justiça a responder por seus atos de corrupção, embora impedida, a mesma justiça, de prosseguir na apuração, pelo poder politico subornado.

O que quero dizer nesta hora crítica é que, apesar de seus graves problemas, a Justiça brasileira ainda deve merecer o respeito institucional da nação. O oposto é a baderna, a anarquia e, evidentemente, a violência.

Que o Tribunal Regional de Porto Alegre compreenda a transcendência de sua decisão! Que, independentemente de pressões legítimas ou espúrias, afirme a JUSTIÇA! Que tenha a força moral de afirmar a inocência de Lula no processo em questão, se como eu, não vislumbrar clara sua culpa.

Que dê evidências incontestáveis de sua culpa, caso assim entenda, de maneira que a qualquer do povo não reste duvidas e, assim, possa a Nação afirmar como o injustiçado alemão: há juizes em Berlim. E, apesar de tudo, também no nosso sofrido Brasil.”

Compartilhar Notícia