Calor intenso, episódios de violência e golpe tiram parte do brilho do Carnaval em SP e BA

6 Min. de Leitura

O domingo de Carnaval acabou perdendo parte de seu brilho por episódios de violência, golpes com cartões bancários, excesso de foliões em alguns pontos e pelo calor exorbitante que levou pessoas a procurarem atendimento médico.

Em São Paulo, centenas de pessoas passaram mal com a alta temperatura enquanto acompanhavam os cortejos de megablocos. Em Salvador, integrantes do grupo Revelação foram abordados e assaltados por criminosos após uma apresentação. Um integrante ficou ferido.

O bloco da cantora Pabllo Vittar, que lotou o complexo montado em frente ao Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, terminou cerca de uma hora mais cedo na tarde deste domingo (11) por causa do calor excessivo.

Previsto para as 17h, o encerramento foi anunciado pouco antes das 16h. Mais de 30 minutos após a interrupção do show, parte do público desistiu de aguardar uma possível retomada do bloco e trocou o trio por um passeio no parque.

A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo afirmou que foram instalados 20 postos de atendimento ao longo dos trajetos fixos megablocos e que, neste domingo até as 15h, 150 pessoas foram atendidas.

Nos postos próximos ao Ibirapuera (Monumento das Bandeiras, Obelisco e portão 9), foram 45 atendimentos.

Neste domingo, a movimentação dos foliões também teve momentos de tensão. A Polícia Militar tentou direcionar o fluxo, mas, em alguns minutos, os policiais deixaram o local e o público se espalhou pelas margens do lago do parque.

Parte do tapume metálico que separava o percurso dos blocos de outras áreas do Ibirapuera veio ao chão. Uma foliã convulsionou na grama e foi socorrida por amigos.

“Tentamos assistir e não conseguimos”, disse Heloíza dos Santos, 18. A jovem e cinco amigos chegaram ao Ibirapuera às 14h e se aproximaram do trio da cantora Pabllo, mas desistiram de acompanhar o bloco devido ao forte calor e à multidão. “Estava um forno”, resumiu.

Com as passagens abertas entre os tapumes, o grupo saiu do percurso do trio e ficou recostado em um muro até sair pelo parque. “Nunca mais volto”, afirmou Érika dos Santos Sousa, 19.

A administração municipal afirmou, em nota, que os tapumes foram recolocados pelas equipes de infraestrutura e que a apresentação de Pabllo terminou mais cedo pois a artista e a organização do Carnaval decidiram pela “paralisação momentânea” para assegurar a segurança dos foliões.

“Vimos duas pessoas desmaiadas sendo carregadas e uma pedindo ajuda do Corpo de Bombeiros”, contou Jammily Lion, 20.

“O calor estava insuportável”, completou Débora Costa. Elas estavam em grupo de seis pessoas que, como muitos, trocou o trio pela área do lago e, depois, saiu pelo parque.

As entradas abertas facilitaram o deslocamento e o acesso ao portão 10 do parque, onde os foliões conseguiam comprar bebidas que não são vendidas na folia. Um carrinho de água de coco, por exemplo, logo ganhou uma fila.

Procurada, a gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) não comentou o encerramento antecipado da atividade.

Ainda no Carnaval paulistano, um acusado de aplicar o golpe da maquininha foi preso com 450 cartões bancários furtados nas proximidades do Sambódromo do Anhembi, zona norte de São Paulo, na segunda noite de desfile das escola de samba, neste sábado (10).

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, o suspeito de 38 anos tem antecedentes criminais e agia em parceria com um comparsa. Ao ser identificada pelos policiais em atitude suspeita, dupla tentou fugir em meio à multidão que acompanhava os desfiles.

Os acusados ainda tentaram se desfazer de uma bolsa onde os cartões foram encontrados junto com uma máquina de pagamento.

Havia ao menos dois cartões que constavam em boletins de ocorrências registrados em junho e setembro do ano passado.

O homem foi indiciado por receptação e teve a prisão em flagrante decretada.

Na tarde de sábado, a Polícia Civil afirmou ter prendido uma mulher que portava 22 celulares roubados no Carnaval de rua da capital. Ela foi conduzida até a delegacia onde o caso foi registrado.

PAGODEIRO FOI ESFAQUEADO

Em Salvador (BA), o Grupo Revelação foi vítima de um assalto na madrugada deste domingo (11). Depois de uma apresentação no Carnaval, os integrantes Rogerinho e Mauro Júnior foram abordados por criminosos e tiveram todos os seus pertences roubados.

Rogerinho foi esfaqueado ao tentar se defender do assalto, que aconteceu por volta das 5h, de acordo com a assessoria do grupo de pagode. Ele foi levado a um hospital, onde levou seis pontos em uma das mãos, além de cuidar de cortes superficiais nas costas.

Segundo a equipe, ele “passa bem apesar do susto e já está se recuperando em casa”.

A agenda do grupo seguiu normalmente apesar do ocorrido, diz a assessoria.

O Grupo Revelação se apresentou no bloco Vem Sambar neste sábado (10) em Salvador, na Bahia. Em registros da apresentação publicados no Instagram, os integrantes desceram do trio para cantar junto aos foliões./Folha SP

(Foto: reprodução)

Compartilhar Notícia