/Brasil inicia mal, mas vira sobre os tchecos já no fim

Brasil inicia mal, mas vira sobre os tchecos já no fim

A Seleção Brasileira foi a Praga, nesta terça-feira, para apagar a péssima atuação diante do Panamá. Por pouco, não saiu com um resultado frustante, como o início do amistoso dava a crer. Diante da República Tcheca, bem mais capacitada em relação ao adversário anterior, o Brasil voltou a ser inconstante, porém conseguiu a virada com dois gols de Gabriel Jesus no fim: 3 a 1, sendo que Roberto Firmino foi quem iniciou a reação. Pavelka fez para os mandantes.

No último amistoso, o Brasil havia decepcionado e ficado só no empate com o Panamá (1 a 1). Agora, em meio à pressão e muitas contestações quanto ao rendimento em 2019, Tite fará a convocação para a Copa América, cuja estreia será no dia 14 de junho, contra a Bolívia.

O Brasil iniciou a partida da mesma maneira que terminou o último amistoso (com o Panamá): com muitas ligações diretas e dificuldade no jogo apoiado. A República Tcheca, por sua vez, optou em adiantar a marcação e provocou diversos erros da equipe de Tite. As melhores chances nos primeiros, inclusive com duas reais, foram dos mandantes. Em tentativa de Schick, Alisson teve trabalho e evitou que um gol ainda na primeira parte da etapa inicial saísse.

Os tchecos perceberam a fragilidade e o nervosismo da Seleção na partida e, com isso, foram mais agressivos quando roubavam a bola. E foi em um recorrente erro coletivo na saída de bola, não cortada por Marquinhos, que Pavelka abriu o placar em bela finalização: sem chances para Alisson, na casa dos 36 minutos do primeiro tempo.

Se estava apagado e não tinha finalizado uma vez sequer no primeiro tempo, Firmino recebeu um presente da zaga adversária logo nos primeiros minutos da etapa final. O camisa 20 teve frieza para empatar, cara a cara com o goleiro.

Tite fez diversas alterações visando a virada, ciente da pressão que tem sofrido e do baixo rendimento de seus comandados, e acionou um meio mais leve e criativo. Aos poucos, a Seleção foi encontrando meios para furar a zaga rival e, com mais mobilidade  e com David Neres e Everton inspirados vindo do banco, conseguiu a virada com dois gols de Gabriel Jesus, em jogadas bem construídas. Nem tão previsível como em outrora, mas ele nos salvou. /Lance

Comente com Facebook