/Autismo: o melhor tratamento é o amor

Autismo: o melhor tratamento é o amor

No dia 2 de abril comemoramos o “Dia Mundial da Conscientização do Autismo”, ou simplesmente Dia Mundial do Autismo. A data tem o objetivo de conscientizar a população mundial sobre este transtorno no desenvolvimento do cérebro que afeta cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo.

O autismo acomete pessoas de todas as classes sociais e etnias. Seu grau de comprometimento pode ser leve ou mais grave, em que o paciente se mostra incapaz de manter contato interpessoal. As principais características de um autista são inabilidade para interagir socialmente, dificuldade no domínio da linguagem para comunicar-se ou lidar com jogos simbólicos e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

No dia mundial de conscientização do autismo, a melhor forma de contribuir com aquelas famílias que sofrem com o problema é trazer depoimentos de quem vive essa realidade.

Como não existe uma forma específica de tratamento, pois todos os casos são diferenciados, o assessor parlamentar, Bruno Mesquita, nos mostra uma luz para o problema. O melhor tratamento é o amor:

COMO É SER PAI DE AUTISTA

“Quando recebi o diagnóstico que o Bruno Enzo tinha características do Espectro do Autismo, perdi o chão e perguntei por quê isso aconteceu comigo no meu primeiro filho? O que é autismo? Tem cura?
Passei alguns dias chorando e sem saber o que fazer. Depois de alguns dias recebi um vídeo que resumidamente dizia que Deus só dava a missão para quem podia cumprir.
Daí comecei a batalha para conseguir as terapias. Muito difícil conseguir, mas aos poucos e com ajuda fomos conseguindo e graças a Deus hoje meu filho faz as terapias.
Ser pai de autista é ser especial também.
Quando meu filho fala uma palavra é mesmo que eu ganhar na Mega-Sena.
Quando meu filho foi no banheiro e fez xixi sozinho foi mesmo que o Brasil ganhar uma Copa do Mundo de Futebol.
Quando meu filho tirou uma roupa e vestiu outra sozinho foi mesmo que o seu clube ganhar uma final de campeonato do maior rival.
Ser pai de autista é ficar feliz com pequenos gestos e ter coragem de lutar pelos direitos dos autistas contra todo mundo.
O futuro me reserva coisas boas e sei que vou realizar alguns sonhos que priorizei na vida: implantar um Centro de atendimento às crianças com Autismo e Síndrome de Down na Assembleia Legislativa do Ceará e Um Centro de Atendimento também no Município de Fortaleza.
Sei que são sonhos, mas tenho certeza que com a ajuda de Deus e das pessoas vou conseguir.
Meu nome é Bruno Mesquita, sou pai de autista, sou pai do Bruno Enzo.”

 

Comente com Facebook