/A Política é uma arte. Por Reginaldo Silva

A Política é uma arte. Por Reginaldo Silva

A vitória de Bolsonaro para presidente da República sem o apoio dos velhos caciques políticos e da grande mídia, criminalizou a chamada “velha política”. Já eleito, o presidente Jair Bolsonaro, em pleno exercício da “nova política”, em nome da reforma da Previdência foi obrigado a receber no palácio do Planalto, os velhos políticos, dos velhos partidos e da velha política. Por que não se consegue implantar um modelo político hegemônico? Afinal, o que é a Política?

Maar dizia que a política “está presente no seu relacionamento com o Estado, com o poder, com a representatividade e participação, com as ideologias, com a violência, seja nos sindicatos, no jogo de futebol, na escola ou no divã, na relação afetiva, no tribunal ou na Igreja, na sala de jantar ou na reunião partidária.”

Aristóteles afirmava que o homem é naturalmente um animal político, destinado a viver em sociedade. Já o filósofo francês defensor do absolutismo, Jean Bodin, considerava a “autoridade como a imagem de Deus na Terra”. O inglês, Thomas Hobbes, relatava que o homem era o lobo do próprio homem e havia a necessidade de conferir poder a um homem ou a um grupo de homens que fosse capaz de governar as vontades individuais e isoladas, numa única vontade coletiva.  Rousseau atacou a corrupção, a avareza e os vícios da sociedade civilizada.

A política é uma ciência, muitos são os autores que justificam a importância do “fazer política” seja ela “velha” ou “nova”. Os seres humanos são sujeitos eminentemente políticos.

A política é uma arte, sangue, veias, sonhos, frustrações, limitações, possibilidades ilimitadas de ação, de organização, de manifestação, é saber socialmente articulado, numa configuração de luta pelo poder, pelo querer, pelo fazer, pelo direito de mudar e transformar uma determinada realidade. Ou você faz política ou sofre com suas consequências.

Desde que o termo “política” foi cunhado na atividade social da “Pólis” cidade Estado Grega, até os dias atuais, ela representa tomada de decisão na tentativa de se chegar ao poder.

A “nova” ou a “velha” política necessita de articulação e diálogo entre os seus pares,  mesmo os donos do poder precisam em determinados momentos recuar, avançar em outros, dialogar com o contraditório, buscar vias de argumentação, a exemplo do que temos presenciado no processo de votação da reforma da Previdência. O poder pulveriza-se e torna-se cada vez mais complexo e de difícil compreensão.

O presidente Jair Bolsonaro, nos 100 primeiros dias de governo já deve ter percebido que: eleição é uma coisa, governar é outra e a a política é uma arte.

*Reginaldo Silva: professor, radialista e editor do Ceará Noticias.

Comente com Facebook