A FEIRA E O NOVA RUSSAS ESPORTE CLUBE. POR REGINALDO SILVA

4 Min. de Leitura

Duas polêmicas tomaram conta dos meios de comunicação e das redes sociais em Nova Russas esta semana.

Acompanhei as duas.

Na reunião dos feirantes, entre um comentário e outro, me chamou atenção a fala do Eudes. Funcionário do setor de Tributos da Prefeitura.

Eudes disse que a feira das sextas-feiras, à noite, não foi criação de ninguém. Simplesmente, ela foi tomando forma e aumentando a cada semana.

Independentemente de sua localização, ela terá que tomar um rumo.

Assim também é o futebol de Nova Russas.

Assim como a feira das sextas-feiras, ele foi tomando forma e evoluindo a cada ano.

É preciso humildade, para entender que ninguém é dono dele.

Ele evoluiu e caiu ao longo desses anos pela força das circunstâncias.

Que fim levou as competições da Zona Norte?

Aonde foi parar o Ferroviário de Nova Russas?

Por que ninguém deu continuidade ao Atlético, paixão desmedida do vereador Caboquinho(in memoriam)?

Como podemos constatar, a lei da natureza se encarrega da permanência ou extinção das coisas. Algumas permanecem, outras chegam ao fim.

Alguns dos comentários nas redes sociais insinuavam que estava decretado o fim do futebol, caso o Nova Russas não participasse da Segunda Divisão.

Outros tentavam demonstrar que gestores do esporte, não gostavam de futebol e por isso não queriam que o Nova Russas  participasse da competição.

Nenhum novarussense de sangue e cepa quer o Nova Russas na Segunda Divisão.

Queremos na Primeira.

Só que para isto, é preciso trabalho duro e esforço coletivo.

Peguemos o exemplo das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Assim que acaba o Carnaval elas começam a fazer novos eventos para angariar recursos para o Carnaval do ano seguinte.

O Poder Público contribui, mas não é o único patrocinador.

Não faço parte da diretoria do Nova Russas, mas seus diretores também precisam meter a mão na massa para empurrar o time para Primeira, porque esse é o desejo de todos.

Que tal, fazermos amistosos ao longo do ano, feijoadas para arrecadação, criar um clube de sócio torcedores, fazer bingos, vender blusas, criar um Site de divulgação… São ações simples, mas que poderiam garantir um capital financeiro inicial suficiente para tocar o início da competição.

A gestão do futebol profissional, assim como a gestão municipal deve ter suas prioridades.

Se alguns membros da diretoria tivessem a ideia de guardar aporte financeiro, ao invés de realizar competições amadoras, talvez  tivéssemos caixa para realizar a pré temporada do profissional.

Futebol profissional tem que ser tratado como futebol profissional.

Hoje, 29, foi entregue o último laudo na Federação Cearense de Futebol, para liberação do Estádio.

O gramado do José dos Santos Neto (Mourãozão), mesmo com quatro anos de seca prolongada, está totalmente recuperado, graças ao toque divino do inverno e o esforço de toda uma equipe dedicada ao trabalho.

Reconheço o esforço do presidente Washington Pedrosa e da vereadora Socorrinha Holanda a frente do Nova Russas. Estarei sempre a disposição para colaborar.

Contudo, lamento que lobos vestidos em peles de cordeiros, tentem tirar proveito de uma situação, objetivando alimentar muito mais suas vaidades, do que o bem do futebol de Nova Russas.

Que este ano também sirva de lição para os nossos desportistas definirem suas prioridades. Dedicar-se ao futebol profissional ou fazer futebol amador? A nossa, continuará sendo as competições do futebol de base e apoiando as demais competições.

 

 

Compartilhar Notícia