/Eduardo Girão diz que pré-candidatura de Moro enriquece o debate sobre corrupção, oposição contesta

Eduardo Girão diz que pré-candidatura de Moro enriquece o debate sobre corrupção, oposição contesta

Compartilhe!

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) defendeu a pré-candidatura à  presidência da República do ex-ministro de Bolsonaro, Sérgio Moro, nesta segunda-feira (15/11). Em declarações dadas à imprensa cearense, Girão afirmou que ex-ministro “personifica” a Operação Lava Jato e entra no xadrez político em uma ação “espetacular”. 

“É espetacular o Sergio Moro vindo para o xadrez político eleitoral do Brasil, porque ele qualifica o debate, e resgata valores perdidos ultimamente no combate à corrupção (…) Então eu acho que o ex-ministro vindo para esse cenário o Brasil só tem a ganhar porque ele personifica essa operação Lava Jato que é um símbolo positivo do Brasil internacional”, disse o senador.

Moro é acusado pela oposição de ter usado o cargo de juiz para combinar combinar com o Ministério Público as ações que incriminaram o ex-presidente Lula na Operação Lava jato para beneficiar uma outra candidatura ao Palácio do Planalto e coincidentemente, logo em seguida ele abandou 20 anos da magistratura para se tornar ministro de Bolsonaro.

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), também deu uma declaração forte sobre Sérgio Moro, por ocasião do lançamento da pré-candidatura de Moro. O Brasil não vai eleger “um juiz ladrão”, diz Ciro sobre candidatura de Moro.

Já o senador cearense Eduardo Girão, diz que a entrada de Moro no cenário político enriquece o debate de combate a corrupção enfraquecido pelos três poderes. “Os três poderes da República têm enfraquecido a operação Lava Jato sistematicamente. Quando o Executivo pega o COAF, joga para um lado e para outro e ele termina como um apêndice do Banco Central. Para proteger quem? Quando o STF tem essas decisões esdrúxulas uma por cima da outra liberando réus da lava jato e enfraquecendo o sistema de impunidade do Brasil e quando o próprio Legislativo vota a lei de abuso de autoridade, amarrando juiz e promotores que querem fazer seu trabalho”, enfatizou o senador.


Compartilhe!

Comente com Facebook