/Pessoas em situação de rua com Covid-19 contam com unidade de acolhimento

Pessoas em situação de rua com Covid-19 contam com unidade de acolhimento

Com uma política de assistência voltada para a população em situação de vulnerabilidade social, a Prefeitura Municipal de Fortaleza abriu uma unidade de acolhimento provisório para pessoas em situação de rua com suspeita ou com confirmação de infecção pelo Coronavírus. A abertura do espaço ocorreu nesta semana e conta com 20 vagas para que os cuidados sejam seguidos.

Segundo a assessoria da Secretaria dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS), o local atualmente já abriga 5 pessoas cumprindo isolamento. O objetivo da ação é atender a população de rua de Fortaleza para que haja redução da transmissão comunitária e a disseminação do coronavírus entre essa parcela da população. O serviço é ofertado a indivíduos e grupos familiares que apresentam sintomas da doença.

“O Acolhimento Provisório para Quarentena e Isolamento para a População em Situação de Rua da SDHDS é uma estratégia utilizada desde o começo da pandemia, pela importância de ampliar as estratégias de atuação com a população de rua em Fortaleza, como também apresenta o intuito de reduzir as transmissões comunitárias entre o referido segmento, conter os avanços da disseminação do vírus e intensificar os cuidados com a população de rua. Nesse momento estamos com um novo espaço aberto que nos possibilita ofertar uma segurança de acolhida com melhor qualidade e seguindo os protocolos sanitários orientados pelas autoridades de saúde e com isso mitigar os riscos de transmissão também para os trabalhadores”, disse Márcia Nogueira, coordenadora de assistência social da SDHDS.

Qual o meio para que o indivíduo seja encaminhado ao abrigo?

A porta de entrada para o serviço é feita pela Central de Regulação de Vagas da SDHDS, que avaliará as situações e as possibilidades de vagas. Eles também podem ser encaminhados por serviços das demais políticas públicas, rede socioassistencial, rede de atuação com a população de rua, rede de saúde, dentre outras./ cmfor

Foto: Érika Fonseca

Comente com Facebook