/Custo da energia solar sobe, mas demanda ainda é alta

Custo da energia solar sobe, mas demanda ainda é alta

O mercado de energia solar segue aquecido no Brasil, apesar da redução da atratividade do investimento, provocada pelo aumento dos custos observado nos últimos meses. A tendência de elevação dos preços dos equipamentos e dos insumos se acentuou nos últimos dois meses. Parte dessa alta está sendo repassada ao consumidor final.

“O nosso watt-médio neste mês, em relação ao ano passado, está entorno de 10% acima. Parte foi repassada ao preço, mas a maior parte foi absorvida”, disse o presidente da Blue Sol, Nelson Colaferro. A distribuidora de equipamentos atua em um modelo de franquias e cursos para o setor solar e pretende quase triplicar as vendas em 2021, para 50 MW, ante 20 MW no ano passado.

“Tivemos uma postura muito conservadora em 2020, nossa principal preocupação foi manter a nossa rede de maneira equilibrada, tivemos um crescimento pequeno, em torno de 10%. Para 2021, esperamos um crescimento bastante significativo nas vendas”, disse o executivo. Segundo Colaferro, a demanda por micro franquias está em alta e espera fechar o ano com 250 representantes espalhados pelo Brasil.

O mercado brasileiro chegou a ter falta de equipamentos em dezembro. Esse desequilíbrio é decorrente dos efeitos da pandemia de covid-19. Fábricas foram paralisadas no ano passado no principal polo produtor de painéis solares, a China.

Passados os meses iniciais da pandemia, a demanda mundial por energia solar retomou com força, no segundo semestre do ano passado, impulsionada por diversos anúncios de políticas de incentivo às fontes renováveis pelo mundo.

Além da pressão na demanda, a desvalorização do real ante o dólar e as maiores taxas de frete também pressionam os custos da energia solar no Brasil. O sócio fundador do marketplace Portal Solar, Rodolfo Mayer, disse que em alguns casos o preço do painel subiu 30% em função do aumento dos custos dos insumos. “A nossa expectativa no fim do ano passado era que os custos cairiam a partir do segundo semestre deste ano, mas não está parecendo que isso vai acontecer ainda esse ano.”

Na avaliação de Mayer, que também é membro do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar), os custos continuarão aumentando durante todo o ano de 2021. “Caiu um pouco a procura por causa do preço, mas ainda é um investimento atrativo”, disse o executivo.

Um kit pode ser encontrado a partir de R$ 15,5 mil./AE

Comente com Facebook