/Fortaleza e Ceará às vésperas do fim de ano

Fortaleza e Ceará às vésperas do fim de ano

O jogo vale três pontos importantes na Série A, mas, com base na história, pode valer muito mais. O clássico a esta altura do ano é algo raro. A última vez que Fortaleza e Ceará se enfrentaram no mês de dezembro foi há 22 anos em um confronto antecipado (para 1998) do Campeonato Cearense de 1999. Os motivos eram inglórios. Vovô e Leão buscavam calendário para um ano de fracassos no cenário nacional. O jogo terminou 0 a 0 com baixo nível técnico.

Naquele ano, o Alvinegro, apesar de ter passado na primeira fase da Série B do Brasileiro de 1998, foi vencido facilmente pelo Criciúma e eliminado de forma precoce. Já o Fortaleza, na Terceirona, foi penúltimo em grupo com Viana (MA), Picos (PI) e Cori-Sabbá (PI).

Dezembro de glórias

Mas o fracasso de 1998, último ano quem que houve Clássico-Rei próximo ao Natal, não condiz com a história. Dos 589 jogos disputados da maior rivalidade cearense em todos os tempos, apenas 20 aconteceram em dezembro, a maioria deles válidos por decisões de Campeonato Cearense. Ou seja, jogos que marcaram toda uma temporada e que terminaram com sorriso ou choro para metade do Estado às vésperas das festas de fim de ano.

Conquistas históricas

Dois dos principais jogos da história de Ceará e Fortaleza aconteceram justamente no fim do ano. Em 1978, após uma sequência de quatro Clássicos-Rei disputados em dezembro, três valendo pelo triangular final do Campeonato Cearense, o Vovô chegou a um marcante tetracampeonato estadual ao empatar a partida final no último minuto de jogo. O eterno Tiquinho foi eternizado pelo gol marcado. O jogo aconteceu dia 20 de dezembro, na mesma data da partida do próximo domingo, válido pela Série A 2020. O “tetra” de 1978 completará 42 anos.

Também nas últimas semanas do ano, em 1991, o Fortaleza comemorou um dos seus títulos mais marcantes. Após quatros anos sem sentir o gosto de ser campeão cearense, o Tricolor de Aço, mesmo atravessando grave crise financeira, com o presidente da época, Péricles Mulatinho encarando cobranças excessivas da torcida, conseguiu ser campeão.

O time contou com a experiência de Mirandinha, que voltava à terrinha após jornadas pela Seleção Brasileira, futebol inglês, Corinthians e Palmeiras. No jogo final, quando também o Leão precisava do empate, o atacante acertou um belo chute de fora área, também eternizado entre os tricolores.

Mais causos

Dentre outras finais de Estadual disputadas em dezembro, uma em particular também chama atenção. Em 1939, a decisão do Cearense entre Ceará e Fortaleza terminou de forma inusitada: Zé Bagre, goleiro tricolor, se irritou com a marcação de um pênalti e agrediu o árbitro da partida. Irritada, a delegação tricolor se retirou do Campo do Prado (atualmente onde fica o IFCE, no Benfica) e os jogadores alvinegros cobraram o pênalti simbolicamente, sendo declarados campeões.

O primeiro Clássico-Rei da história também ocorreu em dezembro. Em 17/12/1918, a bola rolou no Campo do Prado para o início da rivalidade histórica e centenária. Passado e presente se confundem a todo instante, renovando uma tradição que, em 2020, também terá mais um dos raros capítulos natalinos.

O primeiro Clássico-Rei da história também ocorreu em dezembro. Em 17/12/1918, a bola rolou no Campo do Prado para o início da rivalidade histórica e centenária. Passado e presente se confundem a todo instante, renovando uma tradição que, em 2020, também terá mais um dos raros capítulos natalinos./ge

Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Comente com Facebook