/Entrevista Camilo Santana: cabo Sabino foragido, atitude de Cid foi de indignação e partidarização da polícia precisa ser discutida

Entrevista Camilo Santana: cabo Sabino foragido, atitude de Cid foi de indignação e partidarização da polícia precisa ser discutida

O governador Camilo Santana (PT) participou de uma entrevista na Globonews nesta quarta-feira (04/03) com a participação dos jornalista; Heraldo Pereira, Miriam Leitão, Gerson Camarotti, Cristiana Lôbo, Ana Flor e Camila Bonfim.

Na entrevista foram debatidos vários temas; economia, política, educação, segurança fiscal e o fim dos motins no Ceará no centro do debate. Camilo falou da chefia dos amotinados, do sentimento de indignação do senador Cid Gomes (PDT) no episódio da retroescavadeira e da necessidade de ampliar a discussão no País sobre a partidarização da política.

Camilo destacou que o fim dos motins no Ceará se deve ao somatório de esforços de instituições, Governo do Estado, Poder Legislativo, Poder Judiciário, Ministério Público e Governo Federal, ninguém resolveu sozinho, o somatório de forças levou ao melhor desfecho da situação.

Camilo disse ainda que um dos chefes do Motim dos policiais militares no Ceará, o ex-deputado federal, cabo Sabino, tem um mandado de prisão contra ele e, até o momento encontra-se foragido.

No episódio da retroescavadeira, pilotada pelo senador Cid Gomes, Camilo disse que o sentimento que levou o parlamentar a agir daquela maneira, foi um sentimento de “indignação”. O Cid recebeu ligações de pessoas de sua terra natal chorando, dizendo que estavam sitiadas, sendo ameaçadas, baixando as portas do comércio, aquela situação o levou a um estado de indignação. O Cid é um homem sensível, um extraordinário homem público, a indignação o levou aquele ato.” pondera Camilo Santana.

Camilo também citou a fala do general Mourão, “quando a política entra pela porta da frente nos quartéis a hierarquia e a disciplina saem pela porta dos fundos. “O governador do Ceará defende que o Congresso realize um amplo debate em nível nacional sobre a partidarização na política.” Para Camilo, esse debate não pode ser postergado.

O governador cearense também registrou a solidariedade e os agradecimentos aos demais governadores do País que ofereceram ajuda ao seu Estado, “a grande maioria dos Chefes de Estado manifestaram apoio nesse momento de crise na Segurança Pública do Ceará,” ressaltou Camilo.

Comente com Facebook