/Ciro: aproximação com o DEM e distanciamento de Lula e do PT

Ciro: aproximação com o DEM e distanciamento de Lula e do PT

O ex-ministro e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), candidato a presidente da República em 2018 e pré-candidato em 2022, em entrevista ao Estadão, a jornalista Sonia Racy, falou sobre vários assuntos, dentre eles a sua relação cada vez mais próxima com Rodrigo Maia (DEM) e de seu distanciamento de Lula e do PT.

Ao ser questionado sobre sua aproximação com Rodrigo Maia, Ciro diz que começou quando ele percebeu que o parlamentar queria ser o presidente da Câmara sem ser o candidato do Governo Federal:

“Em fevereiro de 2019, percebi que o Rodrigo não queria ser o candidato do Governo Bolsonaro (a presidente da Câmara), mas sim do Parlamento. E o PT queria fazer terceiro turno. Conheço ele e o pai. Sou amigo de César (César Maia, ex-prefeito do Rio). São homens de palavra. Falei em apoiarmos o Rodrigo e extraímos dois compromissos dele: primeiro, o de obrigar Bolsonaro a jogar dentro da Democracia. O segundo, minimizar danos. Rodrigo deu a palavra e está cumprindo exemplarmente. Ele está se saindo bem. Rodrigo ajudou a impedir uma guerra contra a Venezuela. Ele tem feito ‘os diabos’ para minimizar as maluquices do Bolsonaro. Na Reforma da Previdência, ele cumpriu a palavra com nossos compromissos. Isso é a base do nosso diálogo e vou continuar conversando com Rodrigo. Tivemos uma conversa de profissional sobre as eleições municipais,” ressaltou Ciro.

O ex-ministro também confirma que tem conversado com ACM Neto para aprofundar as relações com os Democratas. “Estive, sim, com ACM Neto. Conversamos sobre (a eleição em) Salvador. Teremos candidato próprio lá e devemos lançar com o DEM na vice. Também falamos sobre o Brasil. A ‘petezada’ desonesta já começa a dizer que sou de direita, né? Mas vou continuar falando com o DEM. O Lula, eu já soube, quer conversar com o Rodrigo.”

Quando questionado se atenderia uma ligação de Lula, Ciro diz que sim, desde que tenha alguma testemunha, uma vez que perdeu a confiança no maior líder do Partido dos Trabalhadores.

“Evidente que atendo. Se ele ligar, atendo. Mas a conversa terá de ser com testemunha, porque perdi a confiança nele. E só converso se for sobre o futuro do Brasil. O que Lula diz de manhã não serve de tarde. Ele é uma pessoa querida pelo povo, o mesmo povo que eu amo também, que é o povo mais pobre, mas ele tem uma falta de pudor inaceitável. Lula não faz autocrítica, fala como se quem tivesse feito o que fez fosse um alienígena. Ele parece um ombudsman do Brasil. O compromisso de Lula com o Brasil, morreu. Ele só pensa nele e no projeto de poder do PT.” Pontua o presidenciável Ciro Gomes.

Comente com Facebook