/Nova Russas instala primeira Academia de Letras do município

Nova Russas instala primeira Academia de Letras do município

Na noite desta segunda-feira (11/11), no Grêmio Recreativo Nova-russese (GRN) foi instalada a Academia de Letras de Nova Russas.

Por iniciativa de um grupo de intelectuais e pensadores do município, a criação da Academia Nova-russense de Letras (ANL) teve a coordenação do ex-prefeito e escritor Chico Rosa.

Em noite memorável, há muitos anos não se via nos salões de festas do Grêmio Recreativo Nova-russense um evento com público tão seleto. Escritores, educadores, profissionais liberais, comerciantes, industriais, empresários, intelectuais, imprensa, classe política e amantes das artes e da cultura se reuniram para celebrar a instalação da Academia Nova-russense de Letras.

O presidente da Academia, o ex-prefeito e escritor, Chico Rosa, declarou aberto os trabalhos e logo em seguida foram lidas as biografias dos primeiros membros da ANL. Após o juramento, realizado pelo acadêmico Francisco Melo dos Santos, Maria Lúcia e Júnior Bomfim proferiram os discursos de abertura representando os demais membros da Augusta Casa. O empresário Luis Aguiar Vale falou em nome dos homenageados da noite. A vereadora Socorrinha Holanda representou o gestor do município na solenidade. Assim, transcorreu a cerimônia de instalação da ANL, que foi encerrada com um coquetel para familiares e convidados. O evento marcou o encerramento da semana de comemoração dos 97 anos de Emancipação Política do município.

O grande objetivo da Academia é incentivar a produção cultural, promovendo eventos que elevem a quantidade da produção literária e contribuir para evolução educacional, cultural e artística do município, além de incentivar a produção acadêmica e a descoberta de novos talentos literários,  sempre em parceria com entidades públicas e privadas, órgãos governamentais e não governamentais.

DISCURSO NA INSTALAÇÃO DA ACADEMIA NOVA-RUSSENSE DE LETRAS

Autoridades que nos honram com a presença,
Damas que aformoseiam as colunas deste Clube,
Cavalheiros que espalham cortesia e
Juventude que nos brinda com suas esmeraldas de sonho,

Meu afetuoso boa noite!

Rogo vênias para fazer uma dileção à brevidade, um louvor à síntese, um elogio à concisão.

Desloquei-me dos pés do mar – chamo-o de incansável viajante que nunca sai do lugar – exclusivamente para tomar assento nesta celebração histórica. Antes do mais, externo quão enternecido está meu coração com esta litúrgica e solene profissão de fé nos valores fecundantes do espírito.

Desde quando firmei laços laborais com estas plagas de Nossa Senhora das Graças, venho conversando sobre o engenho de se lançar a pedra filosofal e o alicerce fundacional de um Sodalício literário. Vibrei quando uma plêiade de Novarussenses, aqui personificados no meu estimado amigo doutor Chico Rosa,
se encheu de entusiasmo com esta causa, pois ela representará um marco indelével para esta terra. Saúdo, pois, as guerreiras floridas e os varões assinalados que se uniram para mimosear a Capital do Crochê com esta obra de arte!

Num momento em que nossa Pátria se angustia com as turvas muralhas que surgem na sua trilha civilizatória, com líderes que trafegam despudoradamente entre a insanidade e o desvario e, em especial, com um povo que inexplicavelmente festeja mediocridades e se extasia com idiotices, urge que recuperemos a centralidade restauradora da educação e da cultura. E aqui reside a magnitude alvissareira do empreendimento imaterial que ora inauguramos.

Cunhar a libertária escritura é, indiscutivelmente, um ato de sacrifício, na razão etimológica mais sublime que esta palavra pode encerrar: sacrifício como sacro ofício. Escrever é a divinal tarefa, o sagrado ofício de usar estrelas para espancar as trevas que atormentam a alma humana.

Os que empilham os tijolos silábicos, no trabalho mágico da construção dos edifícios linguísticos, tem a mesma resplandecente tarefa dos antigos latinos, sintetizada no dístico “Fiat Lux!”

Fazer a luz, colaborar para que o nosso próximo se liberte da escuridão da caverna, é a missão excelsa do escritor e das confrarias que os agregam.

Nova Russas oficializa esse compromisso na data magna do seu natalício. As sementes lançadas hoje germinarão, qual árvores colossais, por toda a ribeira do Curtume.

Viva a Academia Novarussense de Letras!

(Júnior Bonfim- membro e um dos fundadores da Academia Nova-russense de Letras-ANL)

Comente com Facebook