/Ciro Gomes: “intervenção federal” no Rio é uma ação ” mesquinha e politiqueira”

Ciro Gomes: “intervenção federal” no Rio é uma ação ” mesquinha e politiqueira”

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) questionou a decisão do presidente Michel Temer de decretar Intervenção federal no Rio de Janeiro. Ciro diz em nota na sua página do Facebook que a medida é uma espécie de “biombo” como forma de tampar uma metástase de corrupção generalizada que se instalou num centro de irradiação política importante do país e que a medida não passa de uma ação mesquinha e politiqueira.

O pedetista alerta para o fato dos membros das Forças Armadas brasileira nuinca terem sido treinados para combater o crime organizado e desta forma podem enfrentar maiores dificuildades, bem como ainda correm o risco de serem corrompidos pelas organizações criminosas que comandam o tráfico e isto pode gerar um problema de segurança ainda maior.

Ciro exalta o nome do interventor do Rio, general Walter Braga Neto, diz que o mesmo terá uma tarefa penosa, contudo, trata-se de um homem de elevado espírito público e que precisaria de um amparato muito grande e de inovações institucionais para que a medida viesse a obter êxito.Finaliza a nota dizendo que torce para dar certo, mas, duvida muito.

CONFIRA NOTA NA ÍNTEGRA

“Não andam fáceis as coisas para os brasileiros. Em nenhuma área. Agora temos que entender a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro. Ninguém duvide: a motivação é mesquinha e politiqueira. Biombo para o fracasso politico da malfadada reforma da previdência que de reforma nada tem, trata-se de uma aposta irresponsável num centro importante de irradiação politica para retirar da absoluta ilegitimidade politica um governo caracterizado por uma agenda anti-povo, anti-nacional e pela metástase da corrupção generalizada.

Mas corresponde a uma súplica generalizada da sociedade brasileira que anda com medo e com justíssima queixa de seus governantes impotentes diante do crime e da violência banalizados e da crescente audácia de facções criminosas organizadas e empoderadas por anos de conivência e omissões de governos dos principais estados brasileiros em sua origem.

O general a quem se atribuiu a penosa tarefa, Walter Braga Neto, é o que há de melhor em nossas forças armadas. Sério, competente e com elevado espírito publico, deve ter o apoio de todos nós.Mas deve saber, com clareza, que sem os meios corretos, sem inovações institucionais profundas, sem uma convergência com um ministério publico e um poder judiciário muito diferentes do que temos, por media, sua tarefa corre muitos riscos. Faz tempo que nações poderosas querem que as forças de defesa de países como o Brasil abandonem sua missão institucional para se converterem em forças de segurança pública e combate ao narcotráfico. Não podemos aceitar isto!

A corrupção no aparelho policial do Rio, e do Brasil vai procurar caminhos para se relacionar com o Exército. Repelir o inimigo é tarefa muito diferente de formar a culpa e condenar criminosos. Um jovem soldado morto pelas milícias, por policiais corruptos ou pelas falanges do narcotráfico e ou facções criminosas é fato comovente que podemos esperar ao se envolverem tropas sem nenhum treinamento em segurança pública.
Torço muito que possa dar certo, mas duvido muito!”

Comente com Facebook