/Lula e Dilma estarão em Porto Alegre, uma verdadeira operação de guerra está sendo montada para o julgamento

Lula e Dilma estarão em Porto Alegre, uma verdadeira operação de guerra está sendo montada para o julgamento

O Partido dos Trabalhadores se prepara para a “guerra”. Cerca de 50 mil pessoas são esperadas para tingir de vermelho, cor da bandeira petista, as ruas de Porto Alegre durante esta semana, decisiva para definir o destino de um dos líderes políticos mais populares em todo o mundo. Na véspera de a 8ª Turma do Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4) reunir-se pela primeira vez neste ano e começar a decidir se mantém, aumenta ou extingue a pena imposta em julho pelo juiz federal Sérgio Moro a Luiz Inácio Lula da Silva, o primeiro ex-presidente do país condenado por corrupção desembarca por volta das 16h na capital gaúcha.

Às 17h desta terça-feira (23/1), é prevista a participação do petista em ato da militância na chamada Esquina Democrática – cruzamento entre a Avenida Borges de Medeiros e a Rua dos Andradas, no centro de Porto Alegre, e  tradicional ponto de manifestações populares na cidade. Ao seu lado, estará a primeira mulher a assumir o comando da Presidência da República e também primeira chefe do Executivo federal a ser destituída do poder enquanto estava no exercício do mandato, Dilma Rousseff.

A expectativa é de que a presença dos dois ícones petistas encoraje ainda mais a militância a cobrar do Judiciário a liberação de Lula para a disputa eleitoral deste ano. Mas pode ter efeito inverso: no fim da tarde, será realizado protesto contra o ex-presidente coordenado pelo Movimento Vem pra Rua,  no Parque Moinhos de Vento, o Parcão, espaço usual de protestos em apoio à Lava Jato, em Porto Alegre.

Operação de Guerra

As avenidas que dão acesso ao tribunal serão fechadas a partir do meio-dia desta terça. Às 17h, o perímetro imediatamente em volta do TRF-4 se torna restrito a pessoas autorizadas. No dia do julgamento, a Avenida Edvaldo Pereira Paiva, uma das principais da cidade, será bloqueada para garantir a segurança do júri – o bloqueio será terrestre, aéreo e também naval, uma vez que o tribunal encontra-se nas imediações do rio Guaíba. “O objetivo das operações é a manutenção da ordem pública e da livre manifestação”, afirmou o secretário da SSP-RS, Cezar Schirmer.

Há uma preocupação extra com a segurança dos três desembargadores que julgarão os recursos de Lula e mais três acusados contra suas condenações na Lava Jato, bem como a apelação do Ministério Público Federal a respeito da sentença dada ao petista e a absolvição de mais três envolvidos. Aeronaves da PRF estão prontas para levar o trio julgador até a sede da Corte federal caso haja protestos ou lentidão nas vias. Se o deslocamento terrestre for possível, os magistrados serão escoltados por batedores da corporação durante todo o percurso./ME

Comente com Facebook