/Fortaleza fecha 2017 com inflação de 2,27%; frango e frutas puxaram índice

Fortaleza fecha 2017 com inflação de 2,27%; frango e frutas puxaram índice

Fortaleza registrou inflação de 2,27% em 2017. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (10). A inflação oficial do Brasil fechou 2017 em 2,95%, abaixo do piso da meta fixada pelo Governo Federal, de 3%.

A inflação de dezembro na capital cearense foi de 0,54%, 0,70 ponto percentual (p.p) acima do acima do resultado de novembro (-0,16%). O acumulado no ano está em 2,27%, bem abaixo dos 8,34% acumulado no mesmo mês do ano de 2016.

O acumulado dos últimos 12 meses (2,27%) ficou abaixo dos 2,34% do acumulado de 12 meses em novembro. Em dezembro de 2016, o IPCA foi de 0,60%.

Para Fortaleza, o único grupo que teve queda nos preços foi Comunicação (-0,09). Entre os grupos que tiveram os menores aumentos, destacaram-se Educação (0,24%), os Artigos de Residência (0,26%) e Habitação (0,28%). O grupo que sofreu maior aumento nos preços foi Vestuário (1,0%), tendência que vinha sendo demonstrada em meses anteriores.

A inflação cearense é a quinta menor variação do Brasil. Atrás apenas de Belém (1,14%), Belo Horizonte (2,03%), Campo Grande (2,11%) e Salvador (2,14%).

Os produtos alimentícios tiveram alta nacional de 0,43% em dezembro, enquanto no mês anterior registraram queda de 0,54%. Quanto aos índices regionais, o mais elevado foi o de Fortaleza (0,48%), em que os alimentos registraram alta de 0,58%, acima do índice nacional (0,43%), com destaque para o frango inteiro (4,49%) e as frutas (4,38%).

A pesquisa aponta que Fortaleza apresentou deflação no quesito alimentação e bebidas (-3,34), alimentação em casa (-5,23) e inflação quando o gasto da alimentação é fora em 2,33%.

Nos resultados por grupos e serviços onde engloba também habitação, vestuário, transportes e educação, a capital cearense teve uma alta de 1,91%.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange 10 regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 30 de novembro a 28 de dezembro de 2017 (referência) com os preços vigentes no período de 31 de outubro a 29 de novembro de 2017 (base)./G1

Comente com Facebook