/Lipo, a cirurgia do verão

Lipo, a cirurgia do verão

1. Fazer dieta e praticar exercícios físicos nem sempre realizam o sonho de muitas pessoas em busca do corpo considerado perfeito, sobram depósitos de gordura aqui e ali que prejudicam a autoestima. Uma das soluções é recorrer à lipoaspiração, uma das cirurgias plásticas mais realizadas no Brasil.

2. De acordo com o cirurgião plástico Gabriel Cavalcanti (CRM 9695), a cirurgia de lipoaspiração é realizada através de pequenas incisões na pele, que permitem a introdução de uma cânula que, conectada ao lipoaspirador, faz a aspiração da quantidade desejada ou possível de gordura.

3. “A quantidade a ser lipoaspirada é proporcional ao peso corporal do paciente, no máximo 5% do peso se não houver infiltração de solução com adrenalina (técnica seca) e 7% do peso se infiltrada solução com adrenalina (técnica úmida)”. A limitação para retirada da gordura é uma orientação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e uma segurança a mais para o paciente.

4. Mas é bom deixar claro que existem problemas que a lipoaspiração não resolve. Primeiro, a lipo não é procedimento de emagrecimento e sim de contorno corporal. “Grandes quantidades de tecido gorduroso em todo corpo atrapalham o resultado da cirurgia”. A cirurgia também não resolve o problema dos quadris largos provocados pela estrutura óssea do paciente. “A barriga poderá continuar projetada se houver associação de flacidez muscular ao acúmulo de gordura intra-abdominal”, acrescenta o cirurgião.

5. Mas com a lipo é possível resolver o chamado “estômago alto”, “dependendo do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdome) do paciente. “Poderemos ter um resultado natural, dependendo também da espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste o corpo, da elasticidade da pele e da maior ou menor flacidez dos músculos reto-abdominais”, avisa.

6. No pós-cirúrgico é necessária a utilização de uma cinta, comprimindo a área operada por um período de até dois meses, segundo Gabriel Cavalcanti, com permanência diária variável de acordo com o período pós-operatório. “E tenha paciência. Lembre-se de que nenhum resultado poderá ser avaliado com menos de três a seis meses de pós-operatório e sessões de drenagem linfática ajudam, e muito, na recuperação e no resultado”. As cicatrizes são mínimas, a anestesia pode ser geral, peridural ou local assistida, de acordo com as áreas a serem abordadas.
RECOMENDAÇÕES

PÓS-OPERATÓRIAS
O cirurgião plástico Gabriel Cavalcanti diz que a lipoaspiração é um procedimento cirúrgico como qualquer outro, querer cuidados e atenção, principalmente, no pós-cirúrgico.
Evitar esforços por 30 dias.
Não se exponha ao sol ou friagem, por um período mínimo de 14 dias, ou até o desaparecimento
das equimoses.
Obedecer à prescrição médica.
Aguarde para fazer sua “dieta ou regime de emagrecimento”, após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.

(O POVO Online)

 

Comente com Facebook