/A importância do discernimento e o poder do voto. Por Reginaldo Silva

A importância do discernimento e o poder do voto. Por Reginaldo Silva

Sérgio Paulo, lembro como se fosse hoje, o nome do pastor que fazia o programa de rádio naquela manhã de segunda feira.

Quando cheguei em frente a escola que trabalhava, escutei aquela voz convincente que saia da janela de uma casa simples e meio avermelhada.

O pastor Sergio Paulo, que fazia um programa de reflexões todas às manhãs naquele horário dizia:

“Existe algo mais importante que o conhecimento.”

Por alguns instantes, me desliguei da sua pregação e ficava indagando com ar de descrença. Mas, o que poderia ser mais importante que o conhecimento?

A curiosidade e a inquietude pela resposta me impediram de dar o próximo passo em direção a escola. Fui obrigado a aguardar o que o Pastor tinha para me dizer.

Ele, como grande comunicador que era aproveitou a oportunidade para fazer o suspense necessário e prender a atenção do ouvinte. Eu, como grande curioso que sou  fui obrigado a aguardar  sua boa vontade para conhecer resposta que me inquietava.

Ao fim do programa, Sérgio Paulo, foi taxativo:  “Mais importante que o conhecimento é o discernimento.”

Por mais que relutasse contra sua resposta, aos poucos fui cedendo à sua linha de pensamento. Naquele momento, não quis causar uma guerra de mensuração sobre  quem seria maior ou menor. Decidi equipará-los.  O discernimento é tão importante quanto o conhecimento.

No campo político funciona da mesma forma. Não basta conhecer, é preciso discernimento para decidir. O povo, muitas vezes levados pelo noticiário e propagandas eleitorais que a mídia expõe, ao bel prazer de seus interesses e caprichos, induz a tomada de decisão equivocada.

Mas não devemos nos incriminar por decisões equivocadas em relação ao voto. Todos nós, já votamos errado em algum momento da vida. Só não aqueles que estão votando pela primeira vez. O que fazer então, na hora de decidir:

“Aprender a discernir”. Discernir é: conhecer, distinguir, apreciar, medir, avaliar bem e estabelecer a diferença entre coisas e pessoas.

No campo político eu acrescentaria que ter discernimento é escolher alguém que tenha um discurso coerente com a prática e a busca incansável pelo interesse coletivo e não em benefício próprio.

O poder não está nas mãos da sociedade, o poder está nas mãos de cada indivíduo que usa o poder do discernimento para transformar a sociedade.

Se cada indivíduo descobrir a força que tem para construir uma sociedade melhor, em breve teremos uma sociedade com melhores representações. Sérgio Paulo usou o rádio, estou usando a internet e você pode usar o voto para construir um mundo mais justo e igualitário.

Quem sabe, nas próximas eleições, antes de escolher os candidatos,  prefeitos ou  vereadores, possamos usar o poder do discernimento, antes de usar o poder do voto.

(Reginaldo Silva- professor, radialista, historiador)

 

 

Comente com Facebook