/Deputado federal Idilvan Alencar manda ministro da Educação “pegar o beco”

Deputado federal Idilvan Alencar manda ministro da Educação “pegar o beco”

O deputado federal Idilvan Alencar (PDT) mandou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, “pegar o beco”, expressão típica do povo cearense para quem deve se retirar de cena após ter concluído sua participação.

Weintraub participou do debate na Comissão de Educação na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (11/12) onde apresentou vários vídeos de reportagens demonstrando que há plantações de maconha e produção de drogas sintéticas nas universidades federais brasileiras.

As acusações foram feitas sem novas provas e com base em reportagens que já foram apuradas posteriormente pela polícia e não geraram responsabilização das instituições.

Idilvan Alencar disse que a preocupação sobre drogas nas Universidades é legítima, mas não aceita a fala do ministro ao afirmar que está fazendo uma “Revolução na Educação”. Para o parlamentar não existe nenhuma revolução no setor educacional e que o ministro deveria usar de bom senso, de humildade e de autocrítica, porque ninguém está vendo essa revolução.

Idilvan disse ainda que a função do ministro no MEC é meramente ideológica, uma vez que o mesmo criou um Twitter somente para disseminar ódio e criticar as pessoas. Idilvan enfatizou que Weintraub não tem inteligência emocional, vive batendo boca nas redes sociais e disse que o ministro não tem condições técnicas e nem políticas de permanecer no cargo. Idilvan ponderou que iria fazer uma recomendação pessoal para o ministro, que ele aproveitasse esse Natal para  “pegar o beco”. Logo em seguida, Idilvan explica que pegar o beco é ir embora no Ceará. O deputado federal concluiu dizendo que também é contra as drogas, mas considera a gestão do ministro uma droga.

Na fala do ministro ele se limitou a dizer que Idilvan foi deselegante, que ele não conhece esse linguajar e que ele deveria ter mais humildade.

O ministro ainda foi alvo de vários ataques de parlamentares na sessão da Comissão de Educação desta quarta-feira (11/12).

(Imagens: Agência Câmara)

Comente com Facebook